A lenha secou, Senhor!

12 de abril de 2015
lenhasecou_640

Então os soldados levaram Jesus. No caminho, eles encontraram um homem chamado Simão, da cidade de Cirene, que vinha do campo. Agarraram Simão e o obrigaram a carregar a cruz, seguindo atrás de Jesus. Uma grande multidão o seguia. Nela havia algumas mulheres que choravam e se lamentavam por causa dele. Jesus virou-se para elas e disse: Mulheres de Jerusalém, não chorem por mim, mas por vocês e pelos seus filhos! Porque chegarão os dias em que todos vão dizer: “Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos, que nunca deram à luz e que nunca amamentaram”. Chegará o tempo em que todos vão dizer às montanhas: “Caiam em cima de nós”! Porque, se isso tudo é feito quando a lenha está verde, o que acontecerá, então, quando ela estiver seca? (Lucas: 23.26-31).

A lenha secou, como o senhor previa! As mães continuam chorando seus filhos por mortes violentas e sem sentido! O Estado acredita que pode levar a paz para uma comunidade onde vivem famílias trabalhadoras por meio da guerra. Ele chama de guerra ao tráfico mas na verdade a guerra é contra pais e mães que vivem ali buscando criar seus filhos!
A lenha secou, Senhor, pois o Estado deveria garantir escola de qualidade e posto de saúde com médicos e medicamentos; o Estado deveria garantir que o Eduardo de Jesus tivesse opções de desenvolver seus talentos no futebol ou em outro esporte qualquer, na música ou arte; sim, Senhor, este Estado que foi constituído para proteger os mais fracos se tornou o assassino de crianças como o Eduardo de Jesus, de apenas 10 anos.

A lenha secou, Senhor, pois no Brasil criou-se uma falácia, uma mentira que o Senhor tanto condena, que as crianças, adolescentes e jovens são os responsáveis pela violência em que se encontra nossa sociedade. Veja, por exemplo, esses números: “Dos 21 milhões de adolescentes brasileiros, apenas 0,013% cometeu atos contra a vida. Na verdade, são eles, os adolescentes, que estão sendo assassinados sistematicamente. O Brasil é o segundo país no mundo em número absoluto de homicídios de adolescentes, atrás da Nigéria. Hoje, os homicídios já representam 36,5% das causas de morte, por fatores externos, de adolescentes no País, enquanto para a população total correspondem a 4,8%. Mais de 33 mil brasileiros entre 12 e 18 anos foram assassinados entre 2006 e 2012. Se as condições atuais prevaleceram, outros 42 mil adolescentes poderão ser vítimas de homicídio entre 2013 e 2019 (Unicef).

A lenha secou, Senhor, pois a nossa sociedade escolhe quem deve morrer. Sim, desses números acima a grande maioria são crianças e jovens cheios de sonhos e esperanças de dias melhores, são negros e pobres que vivem em comunidades carentes e nas periferias das grandes cidades, como o Eduardo de Jesus. Esse Estado que colocou uma bala na cabeça do Eduardo de Jesus, fazendo-o agonizar na frente de sua mãe, assim como o Senhor agonizou na cruz, diante da sua, não levou pra ele e seus amigos escola, saúde e lazer.

A lenha secou, Senhor, pois vivemos numa sociedade onde predomina a impunidade. Veja o Senhor que penas 8% dos homicídios no Brasil são investigados e punidos. Em 92% dos casos eles não são solucionados, pois nosso sistema de investigação é falho e nossas polícias preferem usar a força indiscriminadamente, como no caso do Eduardo, a usar a inteligência e os recursos de apuração hoje existentes.

A lenha secou, Senhor, pois os parlamentares responsáveis por fazer leis, com a desculpa de dar satisfação a uma sociedade vingativa, preferem agir hipocritamente tentando rebaixar a maioridade penal, como se isso fosse resolver os problemas da violência. Pura falácia! Assim como no tempo do Senhor, em que as autoridades inventaram mentiras para lhe condenar a morte, são todos mentirosos, filhos do pai da mentira, como o Senhor condenou abertamente em seu tempo de lenha verde! Na verdade, esses mesmos parlamentares fazem teatro para a sociedade para não tocarem nos reais problemas da criminalidade e impunidade no Brasil. Sim, Senhor, pois eles mesmos são acusados de crimes, gozam da impunidade que predomina em nossa sociedade e são acobertados por terem foro privilegiado – 66% dos deputados da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania respondem por crimes na justiça.

A lenha secou, Senhor, pois assim como o povo manipulado pelas autoridades civis e religiosas da época pediram a sua crucificação, hoje a população cheia de ódio e desejo de vingança pede a crucificação dos jovens que cometem crimes, como se eles não tivessem o direito a uma nova oportunidade na vida!

A maldade contra o Senhor foi grande naqueles tempos onde a lenha estava verde. A lenha hoje secou, Senhor, e a maldade contra os inocentes virou consenso. As pessoas se julgam “do bem” ao desejarem a morte de inocentes. Intensificamos nosso clamor: Que venha, pois, o Teu Reino, Senhor. Que a Tua vontade seja feita aqui na terra assim como é feita no Céu!

Welinton Pereira da Silva

Welinton Pereira da Silva

Welinton Pereira é graduado em Teologia pela UMESP e mestre em Liderança e Desenvolvimento pela Eastern University, Pensilvânia (EUA). É Assessor de Relações Institucionais da Visão Mundial Brasil e secretário nacional do Fórum Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Organizou, junto com Harold Segura, o livro Para Falar de Criança: Teologia, Bíblia e Pastoral para a Infância (Novos Diálogos, 2013).

Artigos de Welinton Pereira da Silva (ver todos)

Welinton Pereira da Silva

Artigos de Welinton Pereira da Silva (ver todos)