Conecte-se com a gente

Novos Diálogos

Sobre pastores e rebanhos nos agitados tempos eleitorais

Artigos

Sobre pastores e rebanhos nos agitados tempos eleitorais

A figura do pastor é muito destacada na tradição cristã. No contexto rural da Bíblia, o pastoreio de ovelhas era atividade importante para a sobrevivência. O rebanho alimentava o povo e também fornecia lã para tecer roupas e tendas.

Além disso, a ovelha era um dos principais animais do sistema religioso vigente. O sangue era instrumento para perdoar pecados, limpar culpas, instituir a paz, ofertar a Deus.

Ser pastor ou pastora, naquele contexto, era tarefa considerada como das mais destacadas: cuidava-se de um animal muito relevante para a sobrevivência e para a prática religiosa.

O bonito era que a importância e a fragilidade das ovelhas geravam apego nos pastores. Cuidar significava proteger, tratar os ferimentos, defender dos perigos, buscar quando alguma se perdia do rebanho. Em retorno a esse cuidado, as ovelhas também se apegavam aos pastores, seguindo-os fielmente, reconhecendo até mesmo a voz.

É neste sentido que, nos textos da Bíblia, os governantes da nação eram chamados de pastores. Eram responsáveis por guiar a vida do povo, protegê-lo, cuidar dos bens dele e ser os guardiões da justiça.

E Deus era apresentado como o Verdadeiro Pastor (como no Salmo 23), o modelo de pastoreio, dedicado ao cuidado, com poder e carinho, com vigor e ternura.

Por isso os profetas da Bíblia cobravam de governantes e religiosos quando não cumpriam o papel de pastores. O profeta Jeremias, por exemplo, criticou religiosos e a família real do seu tempo:

Assim diz o SENHOR: Executai o direito e a justiça e livrai o oprimido das mãos do opressor; não oprimais ao estrangeiro, nem ao órfão, nem à viúva; não façais violência, nem derrameis sangue inocente neste lugar. (…) Mas os teus olhos e o teu coração não atentam senão para a tua ganância, e para derramar o sangue inocente, e para levar a efeito a violência e a extorsão. (…) Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto! diz o SENHOR. (Jeremias 22.13 a 23.3)

Mais tarde, Jesus de Nazaré deu seguimento à visão dos profetas e lamenta a situação de abandono do povo:

E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades. Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor. (Mateus 9.35-36)

Como os profetas, Jesus criticou os pastores, governantes e religiosos, que ao invés de conduzir as ovelhas em um caminho seguro e cuidar delas, colocavam mais fardos e as fragilizavam ainda mais.

Ele traz a noção do bom pastor em contraste com o mercenário que não cuida e engana as ovelhas, representação daqueles que carecem de cuidado amoroso, misericordioso e justo:

Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as arrebata e dispersa. O mercenário foge, porque é mercenário e não tem cuidado com as ovelhas. Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. (João 10.11-15).

Neste ano eleitoral conturbado, marcado por discursos e práticas violentas, desde a brutal execução da vereadora Marielle Franco, em março, até o atentado ao candidato a presidente Jair Bolsonaro, na sexta-feira 7, eis nestes registros da tradição cristã um parâmetro do pastoreio.

Ele serve tanto a governantes e a religiosos quanto ao caminho pelo qual devem ser guiadas as ovelhas/povo/eleitores.

Por isso termino este texto propondo uma aplicação desta reflexão. O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, o general Hamilton Mourão, após o ataque à faca contra o deputado, indicou um caminho de governança: “Se querem usar a violência, os profissionais da violência somos nós”.

A brutalidade da declaração chamou a atenção mas é fato que esta demonstração de “profissionalismo da violência” tem sido dada há algum tempo com palavras e gestos de campanha desta chapa.

Que cidadãos, incluindo religiosos, escolham e proclamem “profissionais da violência” como seus representantes na governança do País, embora contraditório, é um fato e um direito.

E este eleitorado certamente deve estimar as consequências nefastas de sua decisão na educação, na saúde pública, no trabalho e no emprego, na vida das cidades, com seus centros e periferias, e na vida do campo com todas as demandas de acesso ao cultivo e à propriedade da terra, incluindo as populações indígenas, nas diferentes expressões de cultura, no meio ambiente, no patrimônio material e imaterial do país. Sim, é muita gente e muita coisa por cuidar/pastorear no Brasil.

Entretanto, diante do parâmetro do pastoreio pautado no sentido cristão, é preciso buscar honestidade. Não se usar o cristianismo e a Bíblia como escudo para justificar a opção pelos “profissionais da violência”, sejam eles candidatos, realizadores de execuções, chacinas e atentados ou promotores de notícias falsas.

Admitir que se trata de uma escolha que nega e se opõe ao modelo de pastoreio do criador e do “bom pastor”. Corre-se o risco de que ovelhas de uma religião pautada por amor, misericórdia e justiça sejam guiadas não por pastores e pastoras, mas por mercenários.

Fonte: Diálogos da Fé, Carta Capital, 12/09/2018

Jornalista, educadora, membro da Igreja Metodista. É doutora em Ciências da Comunicação, mestre em Memória Social e graduada em Comunicação Social (Jornalismo). É autora de "Explosão Gospel. Um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico contemporâneo", pela Editora Mauad. É integrante do Grupo de Referência da Peregrinação de Justiça e Paz do Conselho Mundial de Igrejas. É colunista da Carta Capital.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Artigos

Subir