Poder do ídolo-dinheiro e Deus na cruz: a novidade de Alegria do Evangelho (Parte IV)

11 de maio de 2014
Aprenda a atrair dinheiro

No artigo anterior, ao falar do capitalcentrismo, apresentei a tese do papa Francisco de que devemos reestabelecer a primazia do ser humano frente ao ídolo-dinheiro. Quando denominamos algo como ídolo, estamos dizendo que o que é tratado como absoluto e sagrado, portanto divino – mesmo que não se use linguagem explicitamente religiosa no sentido tradicional–, não o é. Mas, para as pessoas que acreditam no caráter sagrado desse “ser” (que pode ser algo concreto, uma ideia ou um sistema com seus mecanismos invisíveis afetando a vida de todos), ele é! Como disse Marx, nas sua juventude, “todos os deuses são verdadeiros para quem neles acredita”.

Isso significa que consideramos o(s) nosso(s) deus(es) como verdadeiro(s), e os de outros como falso(s) ou como ídolo(s); assim como os outros consideram o seu deus o verdadeiro, e o nosso falso. O conhecimento da variedade das religiões e pluralidade dos deuses (ou, se preferir, de imagens de deuses) no mundo de hoje criou uma situação em que não se pode simplesmente afirmar que o meu é o único verdadeiro e utilizar a minha/nossa visão de deus para desqualificar a de outros. Assim também, não se pode dizer que todos os deuses são verdadeiros para todos. Afinal, há, de fato, imagens de deus que são contraditórias ou conflitantes (por ex., um deus que abençoa “guerra santa” é diferente de um deus que abomina todas as guerras).

Aliás, encontramos imagens contraditórias sobre deus dentro de uma mesma religião. Tomemos, como exemplo, o cristianismo. A Inquisição perseguiu muitos cristãos em nome de Jesus Cristo; assim como ditaduras militares da América Latina usaram o nome de Deus cristão ou de Jesus Cristo para justificar suas guerras sujas e torturas. Provavelmente muitos dos que atuaram em prol da ditadura mataram e torturaram crendo que estava servindo seu deus. Quando alguém mata em nome de deus, assassina com devoção e sentimento de missão, sem problema de consciência. Foi enfrentando essa situação em El Salvador que Dom Romero usou o conceito de idolatria para compreender o “mal sem limite” da guerra suja contra o povo.

Vimos no segundo artigo desta série que o mundo moderno criou uma nova ideia de religião que a separou da esfera secular ou pública e a reduziu ao mundo privado e à preocupação com a salvação eterna após a morte. Com isso, a religião tradicional deixou de ser o fundamento último da ordem social e o provedor do valor absoluto para a vida na sociedade. No capitalismo, essas funções foram assumidas pelo próprio capitalismo e fez do poder do dinheiro o valor e critério absoluto. Por isso, o papa fala da idolatria do dinheiro e da sacralização do mercado em detrimento do ser humano.

Quem crê em e se sente fascinado pelo “poder do dinheiro” não tem dúvida que realmente não há “salvação”, vida em plenitude, fora desse poder. Assim, esse “poder do dinheiro” se torna objeto de desejo infinito e, ao mesmo tempo, sacramento do infinito no interior da vida cotidiana. É por isso que bilionários não se satisfazem com poucos bilhões de dólares e buscam cada vez mais. E os não ricos que também foram seduzidos pelo “poder do dinheiro”, pelo espírito do Capital, admiram, com inveja, esses abençoados e desejam subir “na vida” para ficarem mais próximos dessa fonte de poder e fascinação.

Para recuperar a primazia do ser humano sobre o deus-dinheiro é necessário primeiro desmascarar esse deus e mostrar que não passa de um ídolo. Mas para isso, é preciso romper com a imagem tradicional de deus associado ao poder. Se Deus é apresentado acima de tudo como “todo-poderoso”, as pessoas procurarão a manifestação desse deus onde há poder que fascina. E não há no nosso mundo um poder fascinante maior do que o poder do dinheiro. E se o poder do dinheiro é manifestação da benção ou presença divina, os vitoriosos detentores dessa riqueza são justos e abençoados por deus (ou pelas leis do mercado sacralizado).

Essa tentação de associar deus com poder e riqueza não é exclusiva do capitalismo. As catedrais magníficas e ricas em ouro e/ou outros materiais caros são também uma expressão disso.

O evangelho anuncia um Deus completamente distinto dessa lógica, um Deus-Amor que não pede sacrifício e tem compaixão dos pobres e vítimas das opressões. E a expressão máxima dessa fé que ultrapassa o “bom senso religioso” é a fé de que Deus estava na cruz com e em Jesus, que o justo foi brutalmente condenado.

Somente um Deus assim pode nos ajudar a reestabelecer a primazia do ser humano concreto – corpóreo, de relações sociais e com a natureza– sobre o ídolo-dinheiro. (a continuar)

Jung Mo Sung

Jung Mo Sung

Jung Mo Sung é Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (1993), com Pós-Doutorado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (2000). É professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião e diretor da Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo. Publicou, com Nestor Míguez e Joerg Rieger, Para além do Espírito do Império: novas perspectivas em política e religião (Paulus, 2012).
Jung Mo Sung