Conecte-se com a gente

Novos Diálogos

Apocalipse 13 e a Marcha para Jesus em SP

Artigos

Apocalipse 13 e a Marcha para Jesus em SP

Apocalipse 13 e a Marcha para Jesus em SP

O Apocalipse de João foi interpretado de várias maneiras. Na tradição futurista, comum entre os dispensacionalistas, as trombetas, taças, selos, monstros, mortes e demais imagens preservadas no texto são lidas como eventos da história da Igreja ou, em grande parte, presságios do fim dos tempos. Mesmo importante entre tantas denominações, essa perspectiva acaba perdendo de vista, ou eufemiza, a dura crítica do visionário. Seguindo tantas pesquisas já bem estabelecidas, o contexto do Império Romano, sob a égide de Domiciano, é uma boa hipótese para compreensão na narrativa apocalíptica. Sem negar seu caráter “por vir”, há tantos indícios no próprio texto que mesmo os futuristas admitirão o primeiro nível de compreensão. Hermeneuticamente, a perspectiva do texto como denúncia ao discurso imperial e sua falsa paz, Pax Romana, serve-nos ótimos óculos para interpretação e leitura contextual. Mais do que fonte de antecipação para eventos futuros, esse horizonte ajuda-nos analisar, à luz das Escrituras, a relação da igreja brasileira com o Estado.

Entre os textos do Apocalipse, o capítulo 13 é o mais instigante. Na tarefa de entendê-lo, precisamos dar uma olhada na narrativa anterior, Ap 12, no qual aparece uma mulher vestida de sol com a lua nos pés. Ela estava para dar à luz. Inesperadamente, aparece um Dragão, com sete cabeças, dez chifres… horrível! O ser caótico desejava devorar o filho da mulher cósmica, mas antes disso Deus o arrebatou para o trono. Na mesma parte, outra cena é pintada. Há uma briga no céu entre Miguel e os anjos contra o Dragão. Chamado de antiga serpente, Diabo e Satanás, ele cai precipitado na terra, quando volta a perseguir a mulher e seu filho. Novamente seu intento violento é frustrado. Contudo, João informa que agora suas forças seriam canalizadas contra os seguidores de Jesus, talvez por serem os representantes da criança livrada. Entenda, o visionário está descrevendo sua experiência e indicando as características do demoníaco para serem capazes de resistir e habilidosamente discerni-lo quando despontasse. Ele está preparando-nos para o capítulo 13 e mostrará onde o encontraremos. Deixe-me explicar algo. Hoje em dia não defendemos nas pesquisas a teoria da perseguição. É o contrário. Com as cartas enviadas às igrejas da Ásia, percebemos que as comunidades viviam certas benesses e estavam felizes no império (“rico sou e de nada preciso… [Ap 3.17]”, lembra?) . Todavia, João percebeu esse risco e alertou as igrejas e lideranças a respeito dos perigos dessa relação e desnudou a falsidade do discurso de paz veiculado pelo Império, porque negava princípios básicos da fé anunciada pelo Cordeiro.

Bom, agora podemos ler o capítulo 13. Se olharmos com cuidado veremos a descrição de duas bestas: do mar e da terra. A primeira condensa em si todas as características dos animais de Daniel 7. Ou seja, ela reúne as mazelas e monstruosidades dos reinos contrários a Deus na história. Por sua vez, a segunda besta está a serviço da primeira e leva o povo à adoração idólatra e aceitarem-na como digna de valor religioso. Seus sinais e linguagem seduzem alguns das igrejas. Eles recebem uma identificação de pertencimento e sem a marca não entrariam no necessário sistema de compra e venda. Dentro dessa densa descrição, quando a primeira besta é descrita, lemos em Ap 13 uma informação fundamental, o que coloca João no lugar de enfrentamento direto: “E deu-lhe o Dragão o seu poder, seu trono e sua autoridade”. Pasmem, o Apocalíptico está chamando o sistema imperial de representante do Dragão, do próprio antagonista de Deus e do Cordeiro! Não menos perigosa é a besta da terra, porque ela tem aparência de cordeiro, mas na realidade é eco do Dragão e está a serviço da primeira Besta.

Não sei se você percebeu, mas João desconfia do Estado. Mesmo se autoafirmando como promotor de paz, os indícios sociais e a revelação denunciam para o visionário o engodo da relação espúria entre religião e Besta, Igreja e Estado. Deus mostrou ao profeta os indícios, ações e práticas do Império contrários ao projeto de Jesus. O visionário percebeu que a violência era maquiada por um discurso de paz, suas taças estavam cheias de sangue e a balança desigual. No entanto, os benefícios e trocas cegavam os seguidores de Jesus na Ásia, amordaçavam a denúncia dos crimes e impediam a igreja de se afastar. Alguns não tinham manchado suas roupas, mas muitos sucumbiram e foram seduzidos. Se levarmos a sério o Apocalipse de João, encontramos importantes advertências: 1. não é possível seguir o cordeiro sem desconfiar do Estado; 2. cuidado, não deixe os benefícios do sistema político favorável cegarem-no a ponto de passarem desapercebidamente os indícios de projetos contrários ao evangelho; 3. a única relação entre igreja e Estado é a profética.

E a marcha para Jesus desta semana em SP? Eu vi pastores e pastoras ovacionarem e conduzirem a multidão aos pés do Estado que usa o símbolo de uma arma em punho como parte de sua proposta e imagem. Assisti consternado, a Igreja e seus líderes, no meio de louvores e culto, em gritos, repetirem o slogan de um projeto político partidário por vezes cheio de violência. Ouvi chamarem de mito um político e fizeram do púlpito palanque – interessante, o dragão está presente em vários mitos cosmogônicos do Mundo Antigo.

Não se engane, quando a igreja perde seu lugar profético e se mistura com o Estado, seja por inocência ou desejo de poder, os pastores se tornam representantes da Besta e os membros candidatos a serem marcados por ela.

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Pastor e professor na Faculdade Unida de Vitória (ES). Membro da Associação Brasileira de Interpretação Bíblica (ABIB) e da Rede Latino-americana de Estudos Pentecostais (RELEP).

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Artigos

Subir