Conecte-se com a gente

Novos Diálogos

Jesus Cristo libertador, antes e agora

Artigos

Jesus Cristo libertador, antes e agora

Ao terminar nossa conferência, gostaria de refletir com vocês sobre nosso tema principal, Jesus Cristo libertador, antes e agora. Meu foco será sobre o kairós em que Jesus Cristo introduziu um novo avanço teológico que ninguém antes dele tinha proposto.

Talvez muitos presumam que eu vou falar sobre a morte e ressurreição de Jesus. Claro, consideramos estes fatos como um ato último de amor. Mas este não é o meu foco neste momento. Eu gostaria de apontar para outro kairós que aconteceu durante a vida de Jesus. Eu gostaria de focar num momento importante e definidor no ministério de Jesus que resultou em uma compreensão nova e original de Deus e dos relacionamentos humanos. Foi de fato uma revolução teológica.

Durante esta conferência temos refletido sobre a situação em que se encontra o Oriente Médio à luz do amplamente difundido extremismo religioso, suas ameaças e desafios. No meu sermão na Igreja da Natividade em Belém, conclui minha apresentação dizendo que o antídoto para o extremismo religioso está no amor ao próximo. Mas qual é o contexto disto, e o que foi único no que Jesus fez? Meu objetivo é recapturar aquele momento quando isso aconteceu ANTES; e, pela graça de Deus, permitir que ele se rejuvenesça e nos reanime HOJE.

Eu vou relatá-lo como uma estória. Muitos de vocês já a conhecem mas, por favor, tenham paciência.

O batismo de Jesus no Rio Jordão por João Batista deve ter sido uma experiência única e significativa para Jesus Cristo. Ele sentiu que recebia o chamado e a bênção especial de Deus para uma missão especial. É bastante provável que depois do seu batismo, Jesus passou algum tempo com João Batista. Ele também passou algumas semanas no deserto ao redor de Jericó, para refletir sobre o significado do reino de Deus. E sobre a missão de Deus a qual estava sendo chamado a assumir, assim como os desafios e dificuldades ao longo dessa jornada. Certamente, Jesus estava buscando a orientação de Deus para cumprir sua vontade.

O conceito de Deus

É importante destacar que no tempo de Jesus a compreensão teológica básica sobre Deus já estava cristalizada. Foi durante o Exílio Babilônico que os pensadores religiosos judeus foram capazes de formular suas principais crenças religiosas sobre a unicidade de Deus. Grande parte do tempo antes do exílio, os israelitas vacilaram na adoração a muitos deuses. Javé era um deus especial para eles mas não o único deus. Em algum momento durante o exílio, Javé foi reconhecido como o único Deus.

A crença no único Deus se tornou a pedra angular do judaísmo. Foi expresso nas palavras do Shemá: “Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. (Dt 6.4, 5). Com razão, fez o povo judeu orgulhoso desta grande descoberta, mas também levou à soberba e arrogância. Outras nações não foram consideradas iguais ao povo judeu e foram mesmo menosprezadas. Quão similar o ANTES do AGORA. O que escutamos do governo de direita israelense e dos extremistas religiosos judeus israelenses? Eles dizem: “O estado de Israel é o nosso estado. É o estado do povo judeu, e apenas do povo judeu. Jerusalém é a nossa Jerusalém, e é apenas nossa. Toda a terra é nossa terra e apenas nossa”. Quando você ouve contínua e incessantemente estas palavras, qual a chance para a paz?

No tempo de Jesus, Deus estava numa caixa como um deus étnico para uma comunidade étnica, e elaborar leis e regulamentos começou a se desenvolver em torno de Deus e do povo de Deus assim como contra os de fora, os gentios.

Como exemplo, Levítico 19 contém inúmeras injunções: “Não guardem ódio contra o seu irmão no coração… Não procurem vingança, nem guardem rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo. Eu sou o Senhor.” (19.18)

A frase “seu irmão” ou “alguém do seu povo” são repetidas várias vezes tornando claro que estas são injunções a governar os relacionamentos dentro da própria comunidade mas não fora dela.

Aparentemente, embora o próprio Jesus tenha crescido com este tipo de ensino, e nesta mentalidade fechada, em algum ponto da sua vida ele sentiu que tais crenças contradiziam sua compreensão de Deus. Para Jesus, este contexto refletia preconceito e racismo.

Nazaré

Depois do seu batismo, Jesus decidiu voltar para Nazaré e discutir sua compreensão da natureza e caráter de Deus. No Sábado, ele foi à sinagoga. Leu uma passagem de Isaías (61) sobre libertação e justiça. Mas quando as palavras do profeta se tornaram racistas contra os gentios, ele parou no meio da sentença e se recusou a invocar a ira de deus e a vingança sobre os inimigos do povo judeu. Ele parou com a menção do jubileu, o ano da graça de Deus. É o ano em que as dívidas dos pobres são canceladas; os escravos são libertos e a terra retorna aos seus proprietários originais.

Ao discutir seu entendimento, Jesus falou sobre a viúva fenícia, gentia do Líbano, que buscou o profeta Elias durante uma grande fome de vários anos; e o general gentio sírio que foi curado de lepra pelo profeta Eliseu. As três palavras de Jesus eram claras, a saber: Deus é Deus de todos os povos e cuida de todos, independentemente de suas origens étnicas.

A comunidade nacionalista e fundamentalista de Nazaré não pôde suportá-lo. Expulsaram-no. Para eles, a concepção de Deus de Jesus estava errada. Eles acreditavam que Deus era apenas o seu deus, e que apenas eles eram o povo especial de Deus.

Para Jesus, o texto de Levítico de amar o próximo como a si mesmo estava fechado para os de fora. Apenas se aplicava à família étnica do povo judaico. Jesus decidiu abri-lo.

Jesus deixou Nazaré e foi para Cafarnaum. Em Cafarnaum, começou a praticar o que ele acreditava sobre Deus: Ele ensinou a todas as pessoas que vieram até ele. Curou o doente independente de sua origem étnica. Ele até curou pessoas no Sábado, o que o fez merecer a ira e a raiva da liderança religiosa. Além disso, Jesus se dispôs a entrar nos lares de gentios, algo que os judeus religiosos evitavam. Ele passou tempo com os samaritanos e louvou a fé dos gentios em detrimento da fé dos judeus. Sua vida foi ameaçada, mas ele continuou corajosamente, e fez o bem a todos, ensinou e curou. Jesus colocou a fé de ponta-cabeça. Tornou-se muito popular entre o povo. Como sempre, são os líderes religiosos os mais conservadores e aqueles a obstruir o movimento do Espírito de Deus.

Qual é o maior mandamento?

O kairós teológico real que desencadeou a revolução foi quando um perito na lei perguntou a Jesus: “Qual o maior mandamento?”. Jesus começou dando a ele a resposta religiosa tradicional: “Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças”. Mas para a surpresa de todos, ele não parou aí. Jesus continuou dizendo que havia outro mandamento que era semelhante a este. “‘Ame o seu próximo como a si mesmo”.

O que Jesus fez? Ele buscou na tradição religiosa do povo e extraiu uma injunção do Levítico (19). Tinha a intenção de se aplicar apenas para um irmão judeu. Jesus retirou a inferência exclusivista e deixou fora da frase, “seu irmão” ou “alguém do seu povo” e deixou aberto. Para Jesus, não existe excepcionalismo. Todo mundo está incluído. Amarás o seu próximo, independente de sua origem racial ou étnica, como a si mesmo. Jesus removeu a cilada do racismo.

Mais tarde, quando perguntaram a Jesus: “E quem é o meu próximo?”, ele contou a estória do Bom Samaritano. O samaritano era considerado um inimigo, mas ele foi o único a parar e ajudar o judeu gravemente ferido.

Além disso, Jesus não apenas soltou e libertou o amor do próximo de sua prisão étnica; ele elevou a injunção e a colocou ao lado do grande mandamento do amor a Deus.

A revolução de Jesus consistiu em dois pontos importantes.

  1. Jesus foi o primeiro a remover as fronteiras exclusivistas que encerravam o amor ao próximo e o confinavam numa comunidade étnica bem delimitada. Depois de remover o material exclusivista, abriu-o para todos e deu a ele uma aplicação e consequências universais, tornando-o um mandamento abrangente em sua inclusão que nos iguala ao inimigo.
  2. Jesus Cristo elevou a injunção de amar ao próximo e a colocou ao lado do primeiro grande mandamento do amor a Deus. Foi Jesus Cristo o primeiro a juntar e conectar os dois mandamentos. Ele então conclui: “Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas”. (Mt 22. 40)

Esta foi a voz profética de Jesus Cristo ANTES, e esta é a voz profética que é necessária AGORA — suas vozes, nossas vozes.

Jesus libertou os dois textos. Ao libertar os dois textos, ele libertou o amor. Ao libertar o amor, Jesus libertou o entendimento deles tanto de Deus quanto do próximo. Tanto Deus quanto o próximo tinham sido encaixotados dentro de uma comunidade de fé restrita. O resto dos povos do mundo foi deixado de fora da graça e do amor de Deus. Mas Deus não pode ser encaixotado. O Espírito de Deus tem sido sempre ativo dentro e fora das religiões do mundo.

Antes de Cristo realizar esta libertação, se alguém perguntasse como se pode demonstrar o amor a Deus, a resposta teria sido “Guarde os seus mandamentos”.

Depois que Jesus conectou o amor a Deus e o amor ao próximo, o teste para verificar a autenticidade do nosso amor a Deus é o nosso amor ao próximo. A comunidade cristã primitiva reconheceu bem isso: “Se alguém afirmar: ‘Eu amo a Deus’, mas odiar seus irmãos ou irmãs, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão ou irmã, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ele [Cristo] nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seus irmãos ou irmãs.” (1Jo 4.20, 21)

Considerando a inclinação humana, é possível dizer que se ama a Deus e ao mesmo tempo cometer todos os tipos de atrocidades contra o próximo. Pode-se ser bastante religioso e ainda ser racista. O antídoto para tudo isso é perceber que o verdadeiro amor a Deus demanda o amor ao próximo.

Amigos e amigas, esta é a revolução que Jesus Cristo promoveu. Precisamos recapturá-la de um novo jeito. É o melhor antídoto para o racismo e a melhor cura para muitas das enfermidades do nosso mundo hoje.

O apóstolo Paulo escreveu: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” (Gl 5:1).

Temos uma importante tarefa pela frente. Jesus Cristo libertador ANTES e AGORA nos deixa este grande desafio: Vocês são a luz do mundo; vocês são o sal da terra. Deixe sua luz brilhar e deixe sua presença, como o sal, fazer diferença no mundo hoje. Amém.

Nota

(1) Sermão de encerramento da 10ª. Conferência Internacional do Sabeel, Magdala, Mar da Galileia, 12 de março de 2017.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Artigos

Subir